sexta-feira, 24 de junho de 2011

Acalma-te pobre poeta
Mesmo sem ela, há primavera
Mesmo sem vê-la, há quem te queira
Mesmo sem rima, há quem te anima

Acalente seu penar, sem muito pensar
Dilua sua dor, sempre com novo amor
Misture a sua sina, com louca alegria
Enterre o dissabor, com a mais fina flor

E assim verás aquilo que te faz feliz
Num perene há de vir, sorrir, sentir(...)

Sem possuir!
Sem possuir!
Sem possuir!


2 comentários:

Luana Maira Vidotte disse...

adoro não possuir, embora queira

Anônimo disse...

Cara, você é bom... Muito bom.